$(
Select Page

TERAPIA OCUPACIONAL

As principais ocupações de uma criança são brincar e aprender. É o papel do terapeuta ocupacional, em parceria com os pais, intervir sobre as competências motoras, cognitivas, sensoriais e sociais que limitam o sucesso da criança no desempenho destas ocupações para que possa participar com o seu potencial máximo  nos contextos onde está envolvida (casa, escola).

O terapeuta ocupacional ajuda ainda os pais e educadores na selecção de materiais e na adaptação do ambiente de forma a favorecer a aqusição de novas competências. É assim o objetivo do Terapeuta Ocupacional ajudar a criança a alcançar a sua independência em todas as atividades da vida diária.

NEURODESENVOLVIMENTO    |    MEMBRO SUPERIOR E MÃO

INTEGRAÇÃO SENSORIAL    |    TREINO DE AVD’S

INTERVENÇÃO ESPECIALIZADA NA DEFICIÊNCIA VISUAL

SINAIS DE ALERTA


Baixo nível de atenção/concentração.

Dificuldades em compreender ordens.

Dificuldades perceptivas visuais, tácteis e auditivas.

Dificuldades de discriminação espaciais (esquerda/direita, cima/baixo).

Dificuldades de motricidade fina (grafismo e preensões).

Dificuldades na sua autonomia (vestir-se, comer, higiene).

Rejeita/evita algumas texturas.

Baixa tolerância à frustração.

Medo de equipamentos de parques infantis.

Entre outros…

INTEGRAÇÃO SENSORIAL


Integração Sensorial é o processo neurológico que organiza as sensações vindas do nosso próprio corpo e do exterior e torna possível o uso efectivo do corpo no meio.

Nesta intervenção promovemos um ambiente estruturado e reconfortante, para que a criança seja capaz de integrar as sensações que o ambiente lhe proporciona, e para que o seu cérebro as organize e integre dando uma resposta adaptativa adequada.

TREINO DE AVD’S


Entende-se por AVD’s todas as actividades de auto-cuidados (alimentação, higiene pessoal, vestir/ despir, mobilidade) e de integração na comunidade, gestão do ambiente e da sua vida (ir às compras, gerir o dinheiro, utilizar o telefone e computador, limpar, cozinhar, utilizar os transportes).

A Sala de Atividades da Vida Diária (AVD’s) proporciona às crianças/jovens, portadores de uma deficiência ou limitação, a oportunidade de aprender/re-aprender a desempenhar de forma adequada e adaptativa as AVD’s que encontram no seu dia-a-dia, dando-lhes o máximo de funcionalidade e autonomia para que consigam ser o mais independentes possível.

MEMBRO SUPERIOR E MÃO


A intervenção do membro superior inclui mão, punho, cotovelo, ombro e cintura escapular.

Na intervenção em pediatria, com visão na reabilitação e aquisição das funções do membro superior, o terapeuta utiliza actividades escolares, da vida diária ou lúdicas para motivar a aprendizagem da criança, como a manipulação de objectos, construção de puzzles, construções em legos, vestir/despir, pegar na caneta, etc.

O terapeuta ocupacional auxilia ainda na aquisição de produtos de apoio.

DEFICIÊNCIA VISUAL


Estima-se que uma pessoa normovisual faça 80% das suas aquisições através da estimulação visual. Se o recurso à visão for limitado e estivermos perante uma criança com um quadro de Deficiência Visual, a forma como o seu desenvolvimento se vai processar, terá que ser obrigatoriamente diferente em várias áreas da sua vida.

Dependendo da limitação visual apresentada pela criança, o terapeuta ocupacional  irá perceber em que medida essa fragilidade esta a comprometer o desenvolvimento da criança, nomeadamente a qualidade com que esta se envolve e participa no seu dia a dia.

O espectro da deficiência visual é bastante amplo, podendo ir desde a  baixa visão até à cegueira total, sendo importante que possam ser proporcionadas oportunidades de aprendizagem com recurso a estratégias de actuação multisensoriais. É fundamental incentivar a criança a explorar o meio que a envolve e activar os outros sentidos. Para proporcionar à criança a participação da mesma nos diversos contextos em que se insere, o terapeuta ocupacional irá sugerir e adaptar uma série de materiais necessários, para que a criança seja mais funcional e autónoma no desempenho das ocupações diárias.

O terapeuta ocupacional poderá ajudar assim, o bebé ou a criança com deficiência visual a explorar formas alternativas de se desenvolver, conhecer o mundo e ser funcional em ocupações relacionadas com o brincar, os auto-cuidados, a alimentação, e o estudar, nomeadamente, nas competências pré-académicas e/ou pré-braille, se necessário. 

CORPO CLÍNICO
DRA. PATRÍCIA CAEIRO

Especialidade | Terapeuta Ocupacional

Áreas de Diferenciação | CME, Integração Sensorial

Cédula profissional nº C-040069168


FORMAÇÃO
Licenciada em Terapia Ocupacional pela Escola Superior de Saúde do Alcoitão.
Formada em CME (Cuevas Medek Exercises) Nível I e II.
Pós-Graduada em Integração Sensorial.
Formada em Natação Adaptada pelo CEF.
Formada em Perceção Visual e Funcionalidade do Membro Superior.
Formada em Preparação para o Nascimento: Pré Parto.
Formada em Intervenção com Alunos com Perturbações do Espetro do Autismo: organização de atividades e construção de materiais.
Formada pelo Programa de Linguagem do vocabulário Makaton – Comité Makaton Portugal.
Formada em Autismo: do diagnóstico e intervenção precoce à vida pós-escolar com participação nos workshops Sistema de Comunicação por Troca de Símbolos (PECS) e Autismo, música, Comunicação e Linguagem.


RESUMO DA CARREIRA PROFISSIONAL
2005- 2009 Terapeuta Ocupacional estagiária em regime escolar em diferentes serviços de Terapia Ocupacional em Pediatria ao longo da licenciatura (Cooperativa de São Pedro e Centro Piloto Arcángel Sant Gabriel de Montjuïc – Barcelona).
2013 Terapeuta Ocupacional na Piscina Municipália de Odivelas.
2012 Coordenadora de uma equipa multidisciplinar​​​​​​​​​​​​​​​​.
Desde 2009 Terapeuta Ocupacional na Associação / Colégio Infante de Sagres e em contexto particular.

DRA. MARIA ALVES

Especialidade | Terapia Ocupacional

DRA. INÊS BATALHA

Especialidade | Terapia Ocupacional

DRA. NATACHA CAEIRO

Especialidade | Terapeuta Ocupacional